30.9.11

Eu juro que respirei fundo e tentei acreditar que não querias mais. Mentalizei-me que estavas mal, mas a tua voz ia soando cada vez pior dentro da minha cabeça. Levei horas a lembrar muita força e coragem para conseguir encher-me de palavras para as explodir contra ti.  Não as consegui agarrar nem as explodir. Eu sei o que te quero apontar à cara, mas é estranhamente confuso não o fazer. Tu sabes que metade de mim é louca por ti, agora a outra só quer ir embora e fracassou por saber que tu não queres mais. E sabes o que sinto agora? Uma grande desilusão a crescer aos poucos dentro do meu coração. Não tinhas o direito de me culpar nem mesmo de cair primeiro que eu. Aceitamos a distância, concordamos que haveriam consequências, tal como tudo na vida. Consequências para as quais conseguimos encontrar solução. E é tao triste saber que estás quase a ceder mesmo antes do tempo. Eu sei que estamos longe, e é frustrante saber que não te posso segurar. A única coisa que eu quero é saber se estás bem. Não quero disparatar. Não quero que a raiva me venha ao de cima. mas é impossível assim. Eu continuo a sentir um enorme carinho por ti Mate. Eu estou aqui e eu sei o que sentes, mas não cometas loucuras quando te encontras em baixo. Eu tentei mesmo acreditar que és um fraco, e que não querias mais, mas eu ainda sinto uma ponta de coragem tua, e eu sei que vais arriscar mais um mês. só mais um mês.